Resolução sobre a relação de forças entre as classes (2019)

Versão de impressão

1) No final dos anos 60, com o esgotamento do boom econômico do pós-guerra, a classe trabalhadora ressurgiu na cena social devido à deterioração das condições de vida. As lutas operárias que irromperam em escala internacional puseram fim ao mais longo período de contrarrevolução da história e abriram um novo curso histórico para os enfrentamentos de classes, impedindo assim que a classe dominante desse sua própria resposta à crise aguda do capitalismo: uma Terceira Guerra Mundial. Este novo curso histórico foi marcado pela emergência de lutas massivas, particularmente nos países centrais da Europa Ocidental, com o movimento de Maio de 1968 na França, seguido do movimento "outono (europeu) quente" na Itália em 1969; e muitos outros, como a Argentina na Primavera de 1969 [1] e a Polônia no Inverno de 1970-71. Nestes movimentos de massas, grande parte da nova geração de trabalhadores que não tinham experimentado a guerra voltou a levantar a questão da perspectiva do comunismo como uma possibilidade.

Ligado a este movimento geral da classe trabalhadora do final dos anos 1960 e início dos anos 1970, devemos também destacar o despertar internacional, em uma escala muito pequena, mas não menos significativa, da Esquerda comunista organizada, a tradição que permaneceu fiel à bandeira da revolução proletária mundial durante a longa noite da contrarrevolução. Neste despertar, a Constituição da CCI significou uma renovação e um importante impulso para a esquerda comunista no seu conjunto. [2]

Diante de uma dinâmica de tendência à politização das lutas operárias, a burguesia (que havia sido surpreendida pelo movimento de maio de 1968) desenvolveu imediatamente uma contraofensiva em grande escala e a longo prazo para impedir que a classe operária dessa sua própria resposta à crise histórica da economia capitalista: a revolução proletária.

2) Devido à ruptura da continuidade política com o movimento operário do passado, esta tendência para a politização do proletariado durante a década de 1960 manifestou-se pela emergência do que Lênin chamou de um "pântano político": um meio de grupos e elementos confusos e, ao mesmo tempo, uma zona de trânsito, situada entre a burguesia e o proletariado. No momento de sua maior expansão, este espaço de politização estava composto, em escala mundial, essencialmente de elementos jovens e inexperientes, entre eles muitos estudantes. Já na primeira metade dos anos setenta houve uma decantação neste "pântano" que se manifestou no fato de que:

  • A esquerda e a extrema esquerda do capital conseguiram recrutar grande parte desses elementos jovens no processo de politização;
  • A frustração e a decepção com o refluxo das lutas de massas do final dos anos 70 levaram muitos deles, fortemente marcados pela impaciência e pelo "radicalismo" da pequena burguesia, a lutas parciais ou às ações violentas e minoritárias do terrorismo (a gangue de Baader na Alemanha, as Brigadas Vermelhas na Itália, mais tarde a Ação Direta na França...).
  • O componente deste "pântano" que tentava encontrar posições proletárias, tendia mais a orientar-se para os becos sem saída dos "autônomos", do obrerismo, dos "libertários" ou da defesa do mito da "autogestão" [3].

Além disso, a adesão "crítica" dos principais grupos de extrema-esquerda (trotsquistas e maoístas) à contrarrevolução e suas práticas de organização e intervenção típicas de organizações ou seitas criptostalinistas, bem como o ativismo cego dos círculos autonomistas e o culto à violência minoritária por parte dos grupos terroristas, destruíram grande parte desta nova geração no processo de politização. Esse trabalho destrutivo contribuiu para distorcer e desacreditar o verdadeiro movimento revolucionário do proletariado.

Paralelamente ao papel extremamente negativo desempenhado por este componente pseudo "radical" desse pântano e dos grupos de extrema-esquerda, a burguesia desenvolveu uma contraofensiva política contra a retomada histórica da luta de classes. Esta contraofensiva consistiu inicialmente, no início dos anos 70, em propor a alternativa de "levar a esquerda ao governo" nos principais países ocidentais, para redirecionar a classe operária ao terreno eleitoral e parlamentar, semeando a ilusão de que o programa dos partidos de esquerda permitiria melhorar as condições de vida das massas exploradas. Esta primeira onda de lutas, que se desenvolveu desde o final da década de 1960, esgotou-se durante estes "anos de ilusões".

3) Mas com o agravamento da crise econômica que teve lugar em meados dos anos 70, surgiu uma nova onda de lutas operárias, na qual também participou o proletariado de alguns países do Leste Europeu (especialmente na Polônia no verão de 1980) [4].

Diante desta retomada da luta de classes após um breve período de refluxo, a burguesia teve que modificar sua estratégia para evitar qualquer politização do proletariado em suas lutas econômicas. E assim, através de uma inteligente divisão de tarefas entre as diferentes frações burguesas, cabia aos partidos de direita no governo realizar os ataques econômicos contra as condições de vida do proletariado, enquanto os partidos de esquerda na oposição (apoiados pelos sindicatos e pelos esquerdistas) tinham a missão de sabotar a partir de dentro as lutas dos trabalhadores, e desviá-las para o terreno do engano eleitoral.

A greve de massas na Polônia em agosto de 1980 revelou que o proletariado, apesar de sofrer com a capa de chumbo dos regimes estalinistas, foi capaz de levantar a cabeça e encontrar espontaneamente seus métodos de luta, incluindo as assembleias gerais soberanas, a eleição dos comitês de greve responsáveis por essas assembleias, a necessária extensão geográfica das lutas e sua unificação superando as divisões corporativistas.

Essa luta gigantesca da classe trabalhadora na Polônia revelou que é na luta massiva contra os ataques econômicos que o proletariado pode tomar consciência de sua própria força, afirmar sua identidade de classe antagônica com o capital e desenvolver sua autoconfiança.

Mas a derrota dos trabalhadores poloneses, com a fundação do sindicato "livre" Solidarnosc ("Solidariedade", que se beneficiou do apoio dos sindicatos dos países ocidentais), também revelou o peso muito forte das ilusões democráticas em um país onde o proletariado não tinha experiência da democracia burguesa. A derrota e a repressão dos trabalhadores poloneses abriram, no início da década de 1980, um novo período de retrocesso para a luta internacional de classes.

4) No entanto, embora profundo, este refluxo resultou efêmero. Na primeira metade da década de 1980, diante do agravamento da crise econômica, da explosão do desemprego e dos novos ataques às condições de vida do proletariado nos países centrais, surgiu novamente uma terceira onda de lutas. Mesmo com a derrota da longa greve dos mineiros na Grã-Bretanha em 1985, esta onda de lutas manifestava-se num desgaste da esquerda na oposição, num descrédito crescente dos sindicatos (como se viu em muitos países, incluindo os escandinavos, por greves espontâneas esporádicas que irromperam às margens e contra as manobras repetidas de sabotagem sindical). Esta terceira onda de lutas dos trabalhadores foi acompanhada por um aumento das taxas de abstenção eleitoral.

Para não se surpreender como aconteceu em maio de 1968 e para paralisar qualquer dinâmica de confronto com o sindicalismo, a burguesia lançou uma terceira estratégia: fortalecer seu aparato de enquadramento da classe operária para impedir qualquer extensão das lutas para além da corporação ou do setor, sabotar a identidade de classe do proletariado através da divisão entre "colarinho branco" e "colarinho azul", e impedir qualquer tentativa de auto-organização pelo proletariado.

5) Foi a burguesia inglesa - a mais inteligente do mundo [5] - com a política da "Dama de Ferro" (Margaret Thatcher), que definiu as diretrizes da estratégia para desacelerar a dinâmica da luta de classes para a classe dominante do resto dos países centrais:

  • Graças ao trabalho de sabotagem do sindicato dos mineiros, a classe dominante prendeu os trabalhadores em uma longa e exaustiva greve corporativa que foi totalmente isolada do resto dos setores produtivos. A amarga derrota da greve dos mineiros foi um golpe brutal para toda a classe trabalhadora deste país. Este sucesso da classe dominante na Grã-Bretanha serviu de modelo para a burguesia de outros países, especialmente na França, o país da Europa onde o proletariado é tradicionalmente extremamente combativo. A burguesia francesa inspirou-se na política da "Dama de Ferro" para parar a dinâmica da luta de classes, prendendo os trabalhadores ao corporativismo e, sobretudo, promovendo a tendência de "cada por si" (que foi um dos primeiros fenômenos da decomposição do capitalismo [6]).
  • Em 1986, e dado que os sectores tradicionalmente mais combativos e experientes do proletariado francês já tinham enfrentado em várias ocasiões, desde 1968, a sabotagem sindical (na mineração, no aço, nos transportes, na indústria automotiva, etc.), a burguesia só pôde utilizar esta estratégia criando "coordenações" destinadas a substituir as grandes centrais sindicais desacreditadas.
  • Na Itália, cujo proletariado também tinha desenvolvido importantes lutas de massas (em particular as do "outono (europeu) quente" de 1969), a burguesia também implantou a mesma política de confinamento no corporativismo, recuperando, após 1987, a coordenação dos trabalhadores da educação.
  • Na França, e apesar da derrota da greve ferroviária de 1986 (graças à sabotagem levada a cabo pelas "coordenações" da SNCF - companhia ferroviária), apenas dois anos depois, em 1988, a militância eclodiu novamente num outro sector público, o dos hospitais. Em face do profundo descontentamento geral com os sindicatos, e do perigo potencial de que esta luta massiva se espalhasse por todo o serviço público, a classe dominante reforçou ainda mais sua estratégia de confinamento corporativista e divisão da classe trabalhadora. A burguesia francesa foi capaz de usar um setor profissional ainda inexperiente e politicamente "atrasado" como a enfermagem para impedir qualquer tentativa de unificar o movimento nos hospitais, sabotando assim qualquer possibilidade de estender a luta a outros setores do serviço público.
  • Para quebrar o movimento nos hospitais, a manobra da burguesia consistiu em oferecer apenas às enfermeiras um "suborno" (um aumento salarial de 350 francos por mês, de um fundo de um bilhão de francos previamente reservado), enquanto o resto das categorias de pessoal hospitalar que se mobilizaram não obteve nada. Se essa derrota da classe trabalhadora, no contexto da tendência histórica de "cada um por si", pôde ser infligida ao proletariado, foi apenas graças ao trabalho sujo da chamada "Coordenação de Enfermeiras", autoproclamada e subitamente posta em marcha graças ao sindicato CFDT. Esta "Coordenação", autêntico engenho parasindical, conseguiu desviar a raiva das enfermeiras para o terreno podre da defesa do seu "status" de "Bac+3" (Bacharelado mais três anos de estudos adicionais) para justificar um aumento no seu salário, quando a verdade é que o movimento tinha partido da falta de pessoal e da deterioração das condições de trabalho que afetavam igualmente todas as categorias de pessoal hospitalar (tanto as de "colarinho branco" e como as de "colarinho azul"). (Ver a nossa brochura em francês "Bilan de la lutte des infirmières: les coordinations, la nouvelle arme de la bourgeoisie" [7]).

Em outros países europeus, incluindo a Alemanha (especialmente na indústria automobilística), esta manobra burguesa para conceder aumentos salariais a apenas uma categoria de trabalhadores na mesma empresa foi destinada a dividir os trabalhadores, aumentar a concorrência entre eles, minar sua solidariedade de classe, a fim de colocá-los uns contra os outros.

E, pior, com esta estratégia de divisão do proletariado defendendo "cada um por si", a burguesia e seus lacaios sindicais têm tentado permanentemente fazer com que o que realmente foram as derrotas da classe trabalhadora pareçam vitórias!

Os revolucionários não devem subestimar o maquiavelismo da burguesia quando analisam a evolução da relação de forças entre as classes. Esse maquiavelismo só pode continuar a desenvolver-se com o agravamento dos ataques contra toda a classe explorada. A estagnação da luta de classes, e seu subsequente declínio no final da década de 1980, foi o resultado da capacidade da classe dominante de reverter algumas manifestações da decomposição da sociedade burguesa - e acima de tudo essa tendência de "cada um por si" - contra a classe trabalhadora.

6) Já a partir do refluxo que se seguiu à primeira onda de lutas, podemos ver como foram essencialmente as ilusões democráticas (alimentadas pela contraofensiva da burguesia e pela sabotagem sindical) que constituíram o principal obstáculo para a politização das lutas da classe trabalhadora.

Como se assinala no artigo da Revista Internacional n°23, "A luta do proletariado no capitalismo decadente" [9], a classe operária enfrenta vários fatores que dificultam a politização de suas lutas: A verdadeira natureza do proletariado, que é uma classe ao mesmo tempo explorada, despojada de toda propriedade e revolucionária, sempre significou que a consciência de classe não pode avançar de vitória em vitória, mas só pode evoluir desigualmente para a vitória através de uma série de derrotas, como disse Rosa Luxemburgo.

No período da decadência:

  • A classe trabalhadora não pode mais se armar com organizações de massa permanentes, partidos políticos e sindicatos de trabalhadores para defender seus interesses;
  • Não há mais um programa político "mínimo" como havia no período ascendente, mas apenas um programa "máximo" [10]. A democracia burguesa e seu marco nacional não são mais um campo para a ação política do proletariado;
  • O Estado burguês aprendeu a usar inteligentemente contra a politização da classe trabalhadora o que já foram partidos políticos do proletariado.

Além disso, no presente período:

  • O Estado burguês aprendeu a desacelerar o ritmo da crise econômica e a planejar, de acordo com os sindicatos, seus ataques antioperários, dotando-se de todos os meios para evitar uma resposta unificada da classe operária, e uma reapropriação dos objetivos políticos finais de sua luta contra o capitalismo.
  • Todas as forças do capitalismo atuam para bloquear a politização da classe operária, impedindo-a de estabelecer o vínculo entre suas lutas econômicas de resistência à exploração e a recusa dos trabalhadores dos países centrais em deixar-se enquadrar na política belicista da burguesia. Esta manobra teve um significado especial no início da década de 1980, com as campanhas pacifistas contra a política de "guerra das estrelas" de Reagan.

7) Quando a terceira onda de lutas começou a esgotar-se no final da década de 1980, teve lugar um acontecimento importante na situação internacional: o colapso espetacular do bloco de Leste e dos regimes estalinistas em 1989 [11]. Este evento deu um tremendo golpe na dinâmica da luta de classes, modificando significativamente a correlação de forças entre o proletariado e a burguesia em benefício desta última. Este evento foi um choque que marcou a entrada do capitalismo na última fase da sua decadência: a da decomposição. Com o seu colapso, o estalinismo prestou um serviço final à burguesia, uma vez que permitiu que a burguesia pusesse fim à dinâmica da luta de classes que, com avanços e retrocessos, tinha se desenvolvido durante duas décadas.

Na verdade, uma vez que não foi a luta do proletariado, mas a putrefação na raiz da sociedade capitalista que acabou com o estalinismo, a burguesia foi capaz de aproveitar este evento para desencadear uma gigantesca campanha ideológica destinada a perpetuar a maior mentira da história: a identificação do comunismo com o estalinismo. Ao fazê-lo, a classe dominante deu um duro golpe na consciência do proletariado. As campanhas ensurdecedoras da burguesia sobre o suposto "fracasso do comunismo" causaram uma regressão do proletariado em sua marcha em direção à sua perspectiva histórica de derrubar o capitalismo. Deram um golpe na identidade de classe do proletariado. [12]

Este profundo retrocesso da consciência e da luta de classes se manifestou por uma diminuição da combatividade dos trabalhadores em todos os países, um fortalecimento das ilusões democráticas, uma intensa recuperação do controle sindical e uma grande dificuldade para o proletariado voltar ao caminho de suas lutas massivas apesar do agravamento da crise econômica, do aumento do desemprego, da precariedade e da deterioração geral de todas as suas condições de vida em todos os setores e em todos os países.

Além disso, com a entrada do capitalismo na fase final da sua decadência, o proletariado teve de enfrentar os miasmas da decomposição da sociedade burguesa, que dificultam sua capacidade para reencontrar o caminho de sua perspectiva revolucionária. No plano ideológico, "os diferentes elementos que constituem a força do proletariado se contrapõem diretamente às várias facetas dessa decomposição ideológica:

  • A ação coletiva, a solidariedade, encontram diante deles a atomização, o "salve-se quem puder", o "cada um que se arranje";
  • A necessidade de organização enfrenta a decomposição social, a desestruturação das relações que sustentam toda a vida em sociedade;
  • A confiança no futuro e nas suas próprias forças é constantemente minada pelo desespero geral que invade a sociedade, pelo niilismo, pelo "não futuro";
  • A consciência, a lucidez, a coerência e a unidade de pensamento, o gosto pela teoria deve fazer seu caminho com grande dificuldade em meio à fuga para quimeras, para as drogas, para as seitas, para o misticismo, a rejeição da reflexão, a destruição do pensamento que caracteriza nosso tempo". (Tese sobre a Decomposição, Revista Internacional n° 62)

Com este retrocesso de sua visão revolucionária e identidade de classe, o proletariado também perdeu muita confiança em si mesmo e em sua capacidade de enfrentar eficazmente o capitalismo em defesa de suas condições de vida.

8) Um dos fatores objetivos que agravou a perda da identidade de classe do proletariado foram as políticas de realocação e reestruturação do aparelho produtivo nos principais países da Europa Ocidental e dos Estados Unidos. As grandes concentrações de trabalhadores foram desmanteladas com o fechamento de bacias mineiras, siderúrgicas, fábricas de automóveis, etc., em setores onde a classe trabalhadora tinha tradicionalmente desenvolvido lutas massivas e muito combativas. Esta desertificação industrial foi acompanhada pela acentuação das campanhas ideológicas sobre o fim da luta de classes e, portanto, de qualquer perspectiva revolucionária. Estas campanhas burguesas têm sido capazes de se desenvolver graças ao fato de que os partidos estalinistas ou socialdemocratas identificarem há décadas a classe trabalhadora apenas com aqueles com "colarinho azul" (aqueles que usam "macacão de trabalho"), escondendo assim o fato de que o que define a classe operária é o trabalho assalariado e a exploração da força de trabalho. Além disso, o desenvolvimento de novas tecnologias torna o proletariado de "colarinho branco" esteja muito mais disperso em pequenas unidades de produção, tornando mais difícil a emergência de lutas de massas.

Nesta situação de retrocesso da consciência de classe do proletariado e de afastamento de sua visão revolucionária, o individualista "cada um por si" e a competitividade para sobreviver em meio a uma crescente recessão econômica tendem a dominar.

O aumento do desemprego e da precariedade deram origem ao fenômeno da "uberização" do trabalho. Ao usar uma plataforma de Internet como um intermediário para encontrar trabalho, a “uberização” disfarça a venda de trabalho a um empregador como se fosse "auto emprego", exacerbando ainda mais o empobrecimento e a precariedade dos "autônomos". A “uberização” do trabalho individual acentua a dificuldade de fazer greves, já que a auto exploração desses trabalhadores dificulta consideravelmente sua capacidade de lutar coletivamente e desenvolver a solidariedade contra a exploração capitalista.

9) A falência do banco Lehman Brothers e a crise financeira de 2008 permitiram à burguesia dar um novo golpe na consciência do proletariado, através de uma grande campanha ideológica de alcance mundial que tentou inculcar a ideia (levantada pelos partidos de esquerda) de que os responsáveis pela crise eram os "banqueiros corruptos", fazendo crer que o capitalismo está personificado nos "operadores" da bolsa de valores ou no poder do dinheiro.

A classe dominante foi assim capaz de esconder as raízes do fracasso do seu sistema. Pretendia por um lado, que a classe trabalhadora se visse arrastada para a defesa do Estado "protetor", já que as medidas de resgate para os bancos deveriam proteger os pequenos poupadores. Por outro lado, esta política de resgate bancário também tem sido utilizada, particularmente pela esquerda, para acusar os governos que defendem os banqueiros e ao mundo financeiro.

Mas, além do efeito dessas mistificações, o maior impacto dessa campanha sobre a classe trabalhadora foi o de reforçar sua impotência diante de um sistema econômico impessoal, cujas leis gerais seriam como leis naturais que não podem ser controladas ou alteradas.

10) A eclosão de conflitos imperialistas no Oriente Médio, assim como a miséria absoluta das massas empobrecidas dos países do continente africano, provocaram um fluxo crescente de refugiados em direção aos países da Europa Ocidental. Do outro lado do Atlântico, o afundamento do capitalismo em decomposição também se manifestou pelo êxodo das ondas de migrantes dos países latino-americanos para os Estados Unidos.

Essas manifestações da decomposição da sociedade capitalista deram origem a um novo perigo para o proletariado: a ideologia populista baseada em uma política "identitária" que ataca a solidariedade do proletariado, e que espalha a ilusão de que, diante do agravamento da crise e dos "cortes de recursos", as populações indígenas só poderiam evitar o agravamento de sua situação à custa de outras camadas não exploradoras da população. Essa política se traduz em protecionismo, na estigmatização dos imigrantes como "tomadores de estado de bem-estar" e no fechamento de fronteiras a ondas de imigrantes.

O sentimento de rejeição cada vez mais aberta entre os trabalhadores dos partidos burgueses tradicionais e das "elites" não levou, no entanto, a uma politização do proletariado em seu terreno de classe, mas sim a uma busca de "novos" personagens no terreno eleitoral da democracia burguesa. Estes "novos homens" são principalmente demagogos populistas e aventureiros (como Donald Trump). A ascensão dos partidos de extrema direita em vários países europeus, assim como a chegada ao poder de Trump nos Estados Unidos, beneficiando-se de muitos votos dos trabalhadores do chamado "cinturão da sucata" (zonas industriais desertificadas), revela que alguns setores do proletariado (particularmente atingidos pelo desemprego) podem ser intoxicados pelo veneno do populismo, da xenofobia, do nacionalismo e de todas as ideologias reacionárias e obscurantistas que emanam do esterco imundo da podridão do capitalismo.

Esta tendência ao "cada um por si" e ao desmantelamento da sociedade também se manifestou no perigo de recrutar alguns setores do proletariado atrás de bandeiras nacionais ou regionais (como aconteceu durante a crise de independência na Catalunha em 2018).

11) Dada a grande dificuldade atual da classe trabalhadora em desenvolver as suas lutas, a sua incapacidade para recuperar a sua identidade de classe e abrir uma perspectiva para a sociedade como um todo, o terreno social tende a ser ocupado por lutas interclassistas particularmente marcadas pela pequena burguesia. Essa camada social, sem futuro histórico, só pode transmitir a quimera da possibilidade de reforma do sistema capitalista ao reivindicar um capitalismo de "rosto humano", mais democrático, mais justo, mais limpo, mais preocupado com os pobres e com a preservação do planeta.

Esses movimentos interclassistas são o produto da falta de qualquer perspectiva, algo que hoje afeta a sociedade como um todo, incluindo uma parte significativa da própria classe dominante.

A revolta popular dos "coletes amarelos" em França contra "o custo de vida", assim como o movimento internacional "Juventude para o Clima" são uma ilustração do perigo do interclassismo para o proletariado [13]. A revolta cidadã dos "coletes amarelos" (inicialmente apoiados e encorajados por todos os partidos de direita e extrema direita) tem mostrado a capacidade da burguesia de usar movimentos sociais interclassistas contra a consciência do proletariado.

Ao conceder 10 bilhões de euros em ajuda para supostamente conter o caos que acompanhou as manifestações dos Coletes Amarelos, a burguesia francesa e sua mídia foram capazes de insidiosamente instilar a ideia de que apenas os movimentos de cidadãos, interclassistas e os métodos próprios de luta da pequena burguesia podem fazer o governo voltar atrás.

Às portas de uma aceleração dos ataques econômicos contra a classe explorada e do perigo do ressurgimento das lutas da classe operária, a burguesia está agora tentando desfocar os antagonismos de classe. Quando tenta inundar e diluir o proletariado entre a "população", a "cidadania", o que a classe dominante quer é impedir que ela recupere sua identidade de classe. A cobertura mediática internacional do movimento Coletes Amarelos revela que esta é uma preocupação da burguesia de todos os países.

O movimento juvenil pelo clima, embora expressando preocupação geral e inquietação pela ameaça de destruição da humanidade, foi completamente desviado para o terreno das lutas parciais, facilmente recuperáveis pela burguesia e muito fortemente marcados pela pequena burguesia.

- Só o proletariado traz em si uma perspectiva para a humanidade e, nesse sentido, é nas suas fileiras que há maior capacidade de resistir a essa decomposição. No entanto, ele mesmo não está seguro, pois a pequena burguesia com a qual ele convive é precisamente o seu principal veículo. Neste período, seu objetivo será resistir aos efeitos nocivos da decomposição em seu seio, apoiando-se unicamente em suas próprias forças, em sua capacidade de lutar coletiva e solidariamente em defesa de seus interesses como classe explorada" (Tese sobre a Decomposição).

A luta pela autonomia de classe do proletariado é, portanto, crucial nesta situação imposta pelo agravamento da decomposição do capitalismo:

  • Contra as lutas interclassistas;
  • Contra as lutas parciais que levantam todo tipo de categorias sociais, dando a falsa ilusão de "comunidade protetora";
  • Contra as mobilizações no terreno podre do nacionalismo, do pacifismo, da "melhoria do meio ambiente", etc.

No saldo de forças entre a burguesia e o proletariado, é sempre a classe dominante que está na ofensiva, exceto em uma situação revolucionária. Apesar de suas dificuldades internas e da tendência crescente de perder o controle de seu aparato político, o fato é que a burguesia conseguiu reverter as manifestações da decomposição de seu sistema contra a consciência e a identidade de classe do proletariado. A classe trabalhadora ainda não superou o profundo revés que sofreu após o colapso do bloco de Leste e dos regimes estalinistas. E ainda mais considerando que as campanhas democráticas e anticomunistas que têm sido mantidas durante décadas estão regularmente em voga (por exemplo, por ocasião do centenário da Revolução de Outubro de 1917).

12) E, no entanto, apesar destas três décadas de retrocesso da luta de classes, a burguesia não conseguiu até agora infligir uma derrota decisiva à classe trabalhadora, como fez nos anos 1920-1930. Apesar da gravidade do que está em jogo hoje no atual período histórico, a situação não é idêntica à do período contrarrevolucionário. O proletariado dos países centrais não sofreu uma derrota física (como vimos no esmagamento sangrento da revolução na Alemanha durante a primeira onda revolucionária de 1917-23). Ele não foi alistado atrás de bandeiras nacionais. A grande maioria dos proletários não está disposta a sacrificar suas vidas no altar da defesa do capital nacional. Nos principais países industrializados, tanto nos EUA como na Europa, as massas proletárias não se juntaram às cruzadas imperialistas (apelidadas de "humanitárias") da "sua" burguesia nacional.

A luta de classes do proletariado é feita de avanços e retrocessos nos quais a classe operária se esforça para superar suas derrotas, aprender com elas e voltar ao combate. Como Marx analisou no 18  Brumário: "as revoluções burguesas, como as do século XVIII, correm rapidamente de um sucesso para outro, (...) por outro lado, as revoluções proletárias, como as do século XIX, constantemente se criticam, interrompem a cada momento seu próprio curso, retornam ao que já parece ter sido alcançado e recomeçam, zombando impiedosamente das vacilações,  fraquezas de suas primeiras tentativas,  parecem derrubar seu adversário apenas para permitir que ele saque novas forças da terra e se recupere novamente, formidável, na frente deles, retrocedem constantemente diante da imensidão infinita de seus próprios objetivos, até que se cria uma situação que torna impossível voltar atrás, e as próprias circunstâncias gritam: Hic Rhodus, Hic salta!".

Estas "circunstâncias", que devem criar "a situação que torna impossível voltar atrás", serão determinadas, em primeiro lugar, pelo esgotamento dos paliativos que até agora permitiram à burguesia deter o colapso da economia mundial. De fato, para que as condições para a emergência de um período de luta revolucionária existam, é necessário "que os exploradores não possam viver e governar como no passado. Somente quando "os de baixo" não quiserem mais e "os de cima" não puderem mais viver da velha maneira, a revolução poderá triunfar. (Lênin, A Doença da Infância do Comunismo).

O inexorável agravamento da miséria, a precariedade, o desemprego e os ataques à dignidade dos explorados, nos próximos anos, constituem a base material que impulsionará as novas gerações de proletários a retomar o caminho das lutas empreendidas pelas gerações anteriores em defesa de suas condições de vida. Por piores que sejam os perigos que ameaçam o proletariado, o período de decomposição do capitalismo não pôs fim às "circunstâncias" objetivas que têm representado a mote das lutas revolucionárias do proletariado desde o início do movimento operário.

13) O agravamento da crise econômica já fez emergir uma nova geração na cena social, ainda que de forma muito limitada e embrionária: em 2006, o movimento estudantil em França contra a CPE, seguido cinco anos depois pelo movimento dos "Indignados" na Espanha [14]. Esses dois movimentos massivos da juventude proletária redescobriram espontaneamente os métodos de luta da classe operária, especialmente a cultura do debate em assembleias gerais massivas abertas a todos.

Estes movimentos também foram caracterizados pela solidariedade entre gerações, ao contrário do movimento estudantil do final dos anos 60, muito marcado pelo peso da pequena burguesia, que se desenvolveu contra a geração que tinha sido recrutada para a guerra.

Se no movimento contra o CPE, a grande maioria dos estudantes que lutavam contra a perspectiva de desemprego e precariedade se reconheceu como parte da classe trabalhadora, os Indignados na Espanha (embora seu movimento tenha se espalhado internacionalmente através das redes sociais) não tinham uma consciência clara de pertencer à classe explorada.

Enquanto o movimento de massas contra o CPE foi uma resposta proletária a um ataque econômico (o que forçou a burguesia a recuar ao retirar o CPE), o movimento dos Indignados foi essencialmente marcado por uma reflexão global sobre a falência do capitalismo e a necessidade de outra sociedade.

Nesta nova geração, a identidade de classe do proletariado ainda não foi recuperada, por causa da falta de experiência desta geração jovem e da sua vulnerabilidade às mistificações da ideologia da "alter-globalização", bem como da sua dificuldade em reapropriar-se da história e da experiência do movimento operário.

No entanto, estes movimentos começaram a estabelecer os primeiros marcos de uma lenta maturação da consciência dentro da classe trabalhadora (e especialmente de suas jovens gerações altamente qualificadas) sobre o que está em jogo na atual situação histórica.

14) Uma característica essencial do desenvolvimento da consciência de classe do proletariado sempre foi sua capacidade de maturação subterrânea, isto é, a capacidade de se desenvolver fora dos períodos de luta aberta e mesmo em períodos de grande derrota. A consciência de classe pode se desenvolver em profundidade, dentro de pequenas minorias, mesmo que não se estenda amplamente a todo o proletariado. Portanto, o desenvolvimento da consciência de classe não deve ser medido apenas pela extensão imediata que alcança no proletariado em um determinado período, mas também através de sua continuidade histórica. No artigo da Revista Internacional 42 "Debate Interno: Os deslizamentos centristas em direção ao conselhismo", já afirmamos que: "É preciso distinguir entre o que reflete uma continuidade do movimento histórico do proletariado - a elaboração progressiva de suas posições políticas e seu programa - e o que está ligado a fatores circunstanciais - a amplitude de sua assimilação e seu impacto sobre a classe como um todo".

A existência e a sobrevivência resoluta das organizações de esquerda comunista até o presente, nas difíceis condições da decomposição do capitalismo, são uma expressão dessa capacidade subterrânea da consciência de classe de desenvolver seu movimento histórico em um período de profunda desorientação do proletariado como vivemos hoje.

Esta maturação subterrânea da consciência de classe do proletariado também se manifesta hoje na emergência de pequenas minorias e jovens elementos que procuram uma perspectiva de classe e as posições da esquerda comunista.

As organizações da esquerda comunista não devem subestimar estas minorias, ainda que possam parecer insignificantes. O processo de decantação no período de decomposição do capitalismo é muito mais lento e custoso do que o que ocorreu no final dos anos 60 e início dos anos 70.

Apesar dos efeitos nocivos da decomposição e dos perigos que ela representa para o proletariado, "hoje, a perspectiva histórica permanece completamente aberta". Apesar do golpe que o colapso do bloco de Leste trouxe à consciência do proletariado, o proletariado não sofreu nenhuma derrota importante no campo de sua luta. (...) Ademais, e este é o elemento que em última instância determina a evolução da situação mundial, o mesmo fator que está na raiz do desenvolvimento da decomposição, o inexorável agravamento da crise do capitalismo, constitui o estímulo essencial para a luta e a tomada de consciência da classe operária, a própria condição de sua capacidade de resistir ao envenenamento derivado da podridão da sociedade. De fato, enquanto o proletariado não consegue encontrar um terreno para a unidade de classe nas lutas parciais contra os efeitos da decomposição, sua luta contra os efeitos diretos da própria crise constitui a base para o desenvolvimento de sua força e unidade de classe" (Tese sobre a Decomposição).

15) Nas lutas econômicas e defensivas do proletariado "às vezes os operários triunfam; mas é um triunfo efêmero. O resultado real de suas lutas não é tanto o sucesso imediato, mas sim a crescente união dos trabalhadores. Esta união é facilitada pelo desenvolvimento dos meios de comunicação criados pela grande indústria e permitem que operários de diferentes localidades entrem em contato uns com os outros. E esse contato é suficiente para centralizar as muitas lutas locais, que em todos os lugares têm o mesmo caráter, em uma luta nacional, em uma luta de classes. Mas toda luta de classes é uma luta política, e a união que os burgueses da Idade Média levaram séculos para estabelecer pelas estradas vicinais, os proletários modernos a realizam em poucos anos graças às ferrovias. Esta organização do proletariado na classe e, portanto, no partido político, é sempre destruída novamente pela competição entre os próprios trabalhadores. Mas ela renasce sempre, e é sempre mais forte, mais firme, mais poderosa" (Manifesto Comunista).

Esse "desenvolvimento dos meios de comunicação" que permite que os trabalhadores "entrem em contato" para "centralizar as lutas locais" não é mais a ferrovia como nos dias de Marx, mas as novas tecnologias de telecomunicações digitais.

De fato, enquanto os efeitos da "globalização", das realocações, do desaparecimento de partes inteiras da indústria, da dispersão em uma multiplicidade de pequenas unidades de produção, da multiplicação de pequenos empregos em serviços, da precariedade e da "uberização" do trabalho contribuíram para minar a identidade de classe do proletariado nas antigas metrópoles industriais, as novas condições econômicas, tecnológicas e sociais em que se encontram hoje contêm elementos favoráveis à reconquista dessa identidade de classe, em uma escala muito maior do que no passado. A "globalização" e especialmente o desenvolvimento da Internet, a criação de uma espécie de "rede global" de conhecimentos, habilidades, cooperação no trabalho, ao mesmo tempo que as viagens de milhões de pessoas criam a base objetiva para o desenvolvimento de uma identidade de classe em escala planetária, especialmente para as novas gerações proletárias.

16) Uma das principais razões pelas quais o proletariado não foi capaz de desenvolver as suas lutas e a sua consciência ao nível exigido pela gravidade da situação histórica é a ruptura da continuidade política com o movimento operário do passado (e, sobretudo, com a primeira onda revolucionária de 1917-23). Esta ruptura foi ilustrada pela fraqueza das organizações revolucionárias da corrente de esquerda comunista que combateram o estalinismo nos anos 20 e 30.

Esta situação deságua na enorme responsabilidade da esquerda comunista como ponte entre o antigo partido desaparecido (a Terceira Internacional) e o futuro partido do proletariado. Sem a constituição deste futuro partido mundial, a revolução proletária será impossível e a humanidade acabará sendo devorada pela barbárie da guerra e/ou pela lenta decomposição da sociedade burguesa.

  • "Teoricamente, a vantagem que os comunistas têm sobre o resto do proletariado é a de uma compreensão clara das condições, marcha e objetivos gerais do movimento proletário como um todo" (Manifesto Comunista).

Maio de 2019


[1] Sobre Maio 68 os artigos que temos publicado podem ser encontrados em Mayo de 1968, sobre a Itália em 1969 ver O "Outono quente" italiano de 1969 (I) - Um momento da recuperação histórica da luta de classes. 

[2] Ver Uma das contribuições chave de 1968: a renovação da Esquerda Comunista, https://es.internationalism.org/content/4344/la-renovacion-de-la-izquierda-comunista-uno-de-los-aportes-clave-de-mayo-68

[3] Ver Auge e decadência da «Autonomia operária»https://es.internationalism.org/revista-internacional/197901/948/auge-y-...

[4] Ver Um ano de lutas operárias na Polôniahttps://es.internationalism.org/revista-internacional/198110/2318/un-ano-de-luchas-obreras-en-polonia

[5] Acrescente-se que, naquela época (década de 1980), porque a sucessão de absurdos monumentais em torno do Brexit mostra agora que os efeitos da decomposição corroem parte dessa "inteligência".

[6] Ver nossa Tese sobre a Decomposição,  https://es.internationalism.org/revista-internacional/200712/2123/la-descomposicion-fase-ultima-de-la-decadencia-del-capitalismo

[7] Ver https://fr.internationalism.org/French/brochure/lutte_infirmieres_1988.htm

[8] Ver Maquiavelismo, consciência e unidade da burguesia, https://es.internationalism.org/revista-internacional/201710/4239/maquiavelismo-consciencia-y-unidad-de-la-burguesia

[9] Ver https://es.internationalism.org/revista-internacional/200805/2265/la-lucha-del-proletariado-en-el-capitalismo-decadente

[10] O famoso “Programa de Transição” que elaborou a IV Internacional em 1938 era um remédio adocicado de oportunismo dos velhos programas mínimos do período 1871-1914.

[11] Ver nossa Tese sobre a crise econômica e política nos países do Leste, https://es.internationalism.org/revista-internacional/201208/3451/tesis-sobre-la-crisis-economica-y-politica-en-los-paises-del-este

[12] Ver Derrocada do Bloco do Leste: Dificuldades em crescimento para o proletariado, https://es.internationalism.org/revista-internacional/199001/3502/derrumbe-del-bloque-del-este-dificultades-en-aumento-para-el-prole

[13] Ver sobre os primeiros, entre muitos outros documentos, Contra a revolta reacionária dos coletes amarelos o proletariado deve afirmar sua autonomia de classe https://es.internationalism.org/content/4412/contra-la-revuelta-reaccionaria-de-los-chalecos-amarillos-el-proletariado-debe-afirmar  ; e sobre os segundos nosso folheto internacional O capitalismo ameaça o planeta e a sobrevivência da humanidade: Somente a luta mundial do proletariado pode acabar com a ameaça, https://es.internationalism.org/content/4405/el-capitalismo-amenaza-el-planeta-y-la-supervivencia-de-la-humanidad-solo-la-lucha

[14] Sobre o primeiro ver Tese sobre o movimento dos estudantes na primavera de 2006 na França, https://es.internationalism.org/revista-internacional/200606/964/tesis-sobre-el-movimiento-de-los-estudiantes-de-la-primavera-de-200 y sobre o segundo, nosso folheto internacional 2011: da indignação à esperança, https://es.internationalism.org/cci-online/201204/3349/2011-de-la-indignacion-a-la-esperanza

Rubric: 

23º Congresso Internacional da CCI (2019)