Greves em refinarias francesas

A solidariedade na luta é a força de nossa classe!

Desde 27 de setembro, mais e mais trabalhadores dos grupos petrolíferos Total Energies e Esso-Exxon Mobil vêm lutando. No momento desta publicação, sete das oito refinarias estão paralisadas. Sua principal demanda é clara: para fazer frente à alta dos preços, eles estão pedindo um aumento de 10% no salário.
Todos os assalariados, pensionistas, desempregados e estudantes precários, que agora sofrem com a inflação, este aumento vertiginoso dos preços dos alimentos e da energia, são confrontados com o mesmo problema: salários, pensões ou subsídios que não lhes permitem mais viver com dignidade. A determinação dos grevistas nas refinarias, sua raiva e sua combatividade, encarnam e concretizam o sentimento de toda a classe trabalhadora, em todos os setores, público ou privado.
Os meios de comunicação exibem à exaustão filas intermináveis em frente aos postos de gasolina, multiplicam as reportagens sobre o calvário dos motoristas que querem chegar ao seu local de trabalho (eles!), nada que ajude, porém: esta luta provoca, por enquanto, mais do que simpatia nas fileiras do proletariado, também desperta a sensação de que os trabalhadores de todos os setores estão no mesmo barco!

Subscreva RSS - Greves em refinarias francesas