Trump e Biden: as falsas escolhas da "democracia" capitalista

Printer-friendly version

O capitalismo, o sistema de produção que domina todo o planeta e todos os países está se afundando em um estado avançado de decadência. Com mais de um século de declínio está atingindo seu estágio final, ameaçando a sobrevivência da humanidade com uma espiral de guerras insanas, depressão econômica, desastres ecológicos e pandemias devastadoras.

Cada Estado-nação na Terra está empenhado em manter este sistema moribundo. Todo governo, seja ele vestido com roupagem democrática ou ditatorial, seja abertamente pró-capitalista ou falsamente "socialista", existe para defender os verdadeiros objetivos do capital: a expansão do lucro à custa do único futuro possível para nossa espécie, uma comunidade mundial onde a produção tem apenas um objetivo - a satisfação da necessidade humana.

Portanto, a escolha de qual partido ou presidente assuma as rédeas do governo é uma falsa escolha que não pode desviar a civilização capitalista do caminho para a catástrofe. Isto se aplica tanto às próximas eleições americanas quanto a qualquer outro circo eleitoral.

Trump não é o amigo dos trabalhadores ...

É claro para muitos que Trump é um defensor declarado de tudo que é podre sobre o capitalismo: desde suas negações da realidade do Covid-19 e das mudanças climáticas, até suas desculpas pela brutalidade policial em nome da lei e da ordem, seus apelos    indiretos ao racismo e à extrema direita, seu tratamento pessoal repugnante para com as mulheres que entram em sua mira. Mas o fato de ele ser, nas palavras de seu  ex-pistoleiro Michael Cohen, "um mentiroso, um vigarista e um racista" não impede que frações importantes da classe capitalista o apoiem porque sua economia abertamente nacionalista e sua desregulamentação dos serviços ambientais e de saúde servem para aumentar seus lucros.

Na última eleição, Trump convenceu muitos trabalhadores americanos de que o protecionismo "America First" salvaria seus empregos e reavivaria as indústrias tradicionais. Mas mesmo antes da crise da Covid, a economia mundial -incluindo a China- já estava caminhando para uma nova recessão e as consequências econômicas da pandemia vão ser ainda mais brutais. O protecionismo é uma ilusão porque nenhuma economia pode se isolar das leis implacáveis do mercado mundial, e as promessas de Trump aos trabalhadores americanos já estavam provando ser ocas antes do início da recessão de 2019.

... mas os democratas também não

De acordo com Trump, Joe Biden ameaça transformar a América em uma "utopia socialista", porque ele é um mero fantoche nas mãos da "esquerda radical" personificada por pessoas como Bernie Sanders e o "esquadrão" em torno  de Alexandria Ocasio-Cortez, Ilhan Omar e outros[1].

Na realidade, Biden foi escolhido como o candidato democrata porque ele representa a continuidade das principais políticas democráticas de Obama e Clinton, que têm muito em comum com as de Trump: o  orientação pro-Rússia para enfrentar o imperialismo chinês foi iniciado sob Obama, que também era conhecido como o "rei da deportação" por causa de sua abordagem implacável aos imigrantes "ilegais". É claro que os democratas têm suas diferenças com Trump: eles estão mais ligados ao estabelecimento militar e de segurança que desconfia profundamente da abordagem bajuladora de Trump em relação à Rússia de Putin, e estão envergonhados com a violação imprudente de seus tratados e alianças internacionais porque isso mina a credibilidade diplomática dos EUA. Mas estas são diferenças sobre a melhor estratégia para o imperialismo americano. Da mesma forma, eles se opõem ao pouco respeito de Trump pelas normas da "democracia" porque sabem como é importante a mistificação democrática para a preservação da ordem social.

O Partido Democrata nunca foi nada mais do que o partido alternativo do capitalismo americano. É verdade que nos últimos anos houve um crescimento de grupos de pressão interna como a Aliança Socialista Democrática, e de defensores do Green New Deal, da Black Lives Matter e das várias formas de política  identitária no partido oficial ou em torno dele. Mas esta "esquerda radical" oferece apenas uma versão mais à esquerda do capitalismo estatal, que, em um mundo devastado pela crise e pela guerra, todas as facções da classe dominante - incluindo a direita e os fanáticos da livre iniciativa - são obrigados a aderir. Nenhuma das políticas da esquerda questiona a existência do Estado-nação, a  produção para o lucro e não as necessidades humanas, o sistema salarial - que são a essência do capitalismo e a fonte de suas contradições insolúveis.

A classe trabalhadora detém a chave para o futuro

Nenhum político ou partido capitalista pode oferecer uma saída para a crise de seu sistema. O futuro do mundo está nas mãos da classe que produz tudo o que precisamos para viver, que é explorada pelo capital em cada país, e que em todos os lugares têm os mesmos interesses: unir-se em defesa de suas condições de trabalho e de vida, desenvolver a auto-organização e a consciência necessárias para enfrentar o sistema capitalista e apresentar sua própria solução histórica: o autêntico socialismo, ou como Marx preferiu chamá-lo, o comunismo, onde a humanidade estará finalmente livre do Estado, das fronteiras nacionais e da escravidão assalariada.

Esta pode parecer ser uma perspectiva muito distante. Em sua existência cotidiana, a classe trabalhadora está dividida de mil maneiras diferentes: na competição por empregos, por fronteiras nacionais, por gênero e por "raça", sobretudo em um país como os EUA com seu legado venenoso de escravidão e racismo.

Mas a classe trabalhadora é também a classe associada, que é obrigada a trabalhar coletivamente, e a se defender coletivamente. Quando levanta a cabeça, tende a superar as divisões em suas fileiras, pois não tem escolha se é para evitar derrota. O racismo e o nacionalismo são certamente ferramentas potentes para dividir os trabalhadores, mas podem e devem ser superados se a luta de classes for para avançar. Quando a pandemia de Covid-19 atingiu pela primeira vez, os trabalhadores americanos reagiram contra de os forçarem trabalhar sem proteção em fábricas de automóveis, hospitais, supermercados ou armazéns; e cada trabalhador, "branco", "negro", "latino" ou outro, ficaram ombreados nas linhas de piquete.

Tais momentos de unidade vão contra as expressões "clássicas" da divisão racial – contra a supremacia branca e os movimentos fascistas que estão saindo do corpo apodrecido do capitalismo. Mas eles também vão em uma direção diferente das mobilizações da "Black Lives Matter" (BLM) que colocam a raça e a cor da pele acima da classe e que foram totalmente instrumentalizadas pelos democratas, por grandes interesses empresariais como McDonalds e Apple, pelos sindicatos - em suma, por uma parte significativa do próprio Estado. As lutas baseadas na raça não podem levar à unificação da classe trabalhadora: partes da classe dominante estão felizes em "ajoelhar-se" e dar sua bênção ao BLM porque sabem que pode ser usada para camulflar a realidade fundamental do capitalismo como uma sociedade baseada na exploração de uma classe por outra.

A classe trabalhadora nos EUA enfrenta uma enorme investida ideológica no período que antecede as eleições, com políticos e superstars da mídia proclamando amplamente que sua única esperança está no voto - quando seu verdadeiro poder não está na cabine de votação, mas no local de trabalho e na rua. Ela também enfrenta o perigo real de ser arrastada para conflitos violentos entre "milícias" armadas, tanto negras quanto brancas, como vimos em alguns dos recentes protestos do BLM. A sociedade americana está mais polarizada do que esteve em qualquer momento desde a guerra do Vietnã, e o perigo de uma "guerra civil" em um terreno completamente burguês pode crescer ainda mais na esteira das eleições, especialmente se Trump se recusar a reconhecer o resultado, como ele já sugeriu. Isto só enfatiza a necessidade de os trabalhadores recusarem os apelos da direita e da esquerda, de rejeitar as falsas escolhas do supermercado democrático e de se unirem em torno de seus próprios interesses de classe.

Amos, 26 09 2020

Rubric: 

Eleições nos Estados Unidos