1. Teoria da revolução comunista

Versão para impressãoEnviar por email

O marxismo é a aquisição teórica fundamental da luta proletária. Só apoiando-se nele, o conjunto de experiências do proletariado pode integrar um todo coerente. Ao explicar a marcha da História pelo desenvolvimento da luta de classes, quer dizer, da luta apoiada na defesa de interesses econômicos em um quadro dado de desenvolvimento das forças produtivas e ao reconhecer o proletariado como a única classe agente da revolução que abolirá o capitalismo, o marxismo é a única concepção do mundo que se situa no ponto de vista desta classe. Longe de constituir uma concepção abstrata sobre o mundo é, acima de tudo, uma arma de combate do proletariado. Ao estar apoiado na primeira e única classe cuja emancipação leva necessariamente consigo a emancipação de toda a humanidade e cuja dominação sobre a sociedade não implica em nenhuma forma de exploração, mas, ao contrário, a abolição de toda exploração, o marxismo é o único sistema capaz de compreender a realidade social de maneira objetiva e científica, sem prejuízos nem mistificações de nenhuma classe.

Em conseqüência, apesar de não ser nem um sistema nem um corpo de idéias e conceitos fechados, mas, ao contrário, uma teoria em elaboração constante em direta e viva relação com a luta de classes e, apesar de ter se beneficiado das expressões teóricas da ação das classes que lhe precederam, o marxismo constitui, a partir do momento em que suas bases foram estabelecidas, a única base a partir da qual a teoria revolucionária pode desenvolver-se.