Um encontro de comunistas internacionalistas em América latina

Versão para impressãoEnviar por email

Publicamos na seqüência a Tomada de Posição comum adotada por 7 grupos e organizações presentes em 8 países da América Latina[1] que dá conta dos trabalhos de um Encontro Internacionalista celebrado recentemente[2].

Este encontro, cujo projeto havia sido formulado há um ano, foi possível em primeiro lugar pela emergência desses grupos que, na sua grande maioria (excetuando a OPOP e a CCI) não existiam até 3 anos atrás. Em segundo lugar, este Encontro não teria sido possível sem a existência de uma vontade comum de todos os participantes em romper o isolamento e desenvolver um trabalho conjunto[3].

A base deste trabalho foi a aceitação pelos participantes dos critérios - expostos na Tomada de Posição - que reconhecem como constituintes de uma delimitação entre o campo do proletariado e o campo da burguesia.

A primeira atividade deste Encontro era necessariamente a discussão política que permitisse lograr o entendimento sobre as convergências e divergências existentes entre os participantes com o objetivo de elaborar um marco de discussões que levasse a um esclarecimento dos desacordos.

Saudamos calorosamente o fato de este Encontro ter acontecido e igualmente ter sido capaz de suscitar discussões importantes como a situação atual da luta de classes internacional e a natureza da crise que está sacudindo o capitalismo. Temos plena confiança que a continuidade do debate poderá alcançar conclusões frutíferas[4].

Somos conscientes de que o Encontro tem o significado de um pequeno passo no caminho que leva a constituição de um pólo internacional de referência cuja existência, debates públicos e intervenção, possam orientar aos companheiros, coletivos e grupos que estão emergindo no mundo inteiro a procura de uma resposta proletária internacionalista à situação cada vez mais grave para a qual o capitalismo empurra a humanidade.

Porém, se compararmos com experiências passadas - por exemplo, as Conferências Internacionais da Esquerda Comunista celebradas faz 30 anos[5] - este Encontro significa uma superação de certas debilidades que se manifestaram à época. Enquanto as conferências foram incapazes de adotar uma tomada de posição comum diante da guerra do Afeganistão que significou uma grave ameaça, hoje a Tomada de Posição adotada unanimemente pelos participantes defende com clareza as posições proletárias diante da crise do capitalismo.

Em particular queremos destacar a firme denuncia que a Tomada de Posição realiza das alternativas capitalistas de "Esquerdas" que hoje estão em voga em todo o continente americano e que provocam muitas ilusões em escala mundial. Desde os Estados Unidos com o fenômeno Obama até a Patagônia argentina, o continente se vê sacudido por governos que dizem defender aos pobres, aos trabalhadores, aos marginalizados e que se apresentam como portadores de um capitalismo "social", "humano", ou, nas suas versões mais "radicais" - como é o caso de Chavez na Venezuela, Morales na Bolívia e Correa no Equador - pretendem representar nada menos que o "socialismo do século XXI".

Parece-nos da maior importância que diante dessas enganações se erga um pólo unitário de minorias internacionalistas, fraternal e coletivo, que abra o caminho para discutir e formular posições de solidariedade internacional, de luta de classes intransigente, de combate pela revolução mundial, diante do capitalismo de Estado, o nacionalismo, a perpetuação da exploração representada por esses "novos profetas"

CCI (26-04-09)

Tomada de posição comum

A luta pelo comunismo autêntico, ou seja, por uma sociedade sem classes, sem miséria e sem guerras, volta a suscitar um interesse crescente por parte de minorias do mundo inteiro. Como testemunho disto, em março de 2009, por iniciativa da CCI - Corrente Comunista Internacional; e da OPOP - Oposição Operária foi celebrado na America do Sul um Encontro de discussão internacionalista no qual participaram diferentes grupos, círculos e indivíduos da America Latina que se situam claramente sobre as posições internacionalistas e proletárias.

Além da CCI e da OPOP, participaram os grupos :

  • Grupo de Luta Proletária (Peru),
  • Anarres (Brasil),
  • Liga pela Emancipação da Classe Trabalhadora (Costa Rica e Nicarágua),
  • Núcleo de Discussão Internacionalista da República Dominicana
  • Grupo de Discussão Internacionalista do Equador.

Camaradas do Peru e do Brasil também participaram do encontro. Outros camaradas de outros países manifestaram a sua intenção em participar, porém, não puderam fazê-lo por razões materiais ou administrativas.

Todos os participantes se reconhecem nos critérios que resumimos a seguir e que, em linhas gerais, haviam servido igualmente para a celebração da conferência dos grupos da Esquerda Comunista dos anos 1970 e 1980:

  • 1) Reclama-se o caráter proletário da Revolução de outubro de 1917 e da IC comunista, submetendo essas experiências a um balanço crítico que orientem novas tentativas revolucionárias do proletariado.
  • 2) Rechaçar sem reservas a idéia de que hoje existam no mundo países com regimes socialistas e com governo operário, mesmo que sejam qualificados como "degenerados"; rechaçar de igual maneira qualquer forma de governo capitalista de Estado, tais como aqueles que se sustentam sob a ideologia do ″socialismo do século XXI″.
  • 3) Denunciar a todos os Partidos Socialistas e os Partidos Comunistas e todos seus acólitos como partidos do capital.
  • 4) Rechaçar categoricamente a democracia burguesa, o Parlamentarismo, e os processos eleitorais, armas com as quais a burguesia tem logrado reiteradas vezes enquadrar e desviar as lutas proletárias: eleger entre democracia e ditadura, fascismo e antifascismo.
  • 5) Defender a necessidade de que os revolucionários internacionalistas avancem até a formação de uma organização internacional da vanguarda proletária, arma indispensável para a revolução da classe proletária.
  • 6) Defender o papel dos Conselhos Operários como órgãos de poder proletário, assim como a autonomia da classe trabalhadora em relação a outras classes e segmentos de classes da sociedade.

Neste encontro foram pautadas as seguintes discussões:

  • 1. O papel do proletariado e a sua situação atual, a correlação de força entre as classes;
  • 2. A situação do capitalismo (no qual se desenvolvem as lutas atuais) e como reflexão mais global a decadência e/ou a crise estrutural do capitalismo;
  • 3. A devastação do meio ambiente, acelerada sobremaneira pelo sistema capitalista, pondo em risco a existência de vida no planeta.

Este ponto não foi discutido durante o encontro por falta de tempo.

Ficou acordado que será discutido através dos canais a serem criados na Internet.

Sobre o Ponto 1, Foram usados exemplos relativos à America Latina para ilustrar as análises sobre o estágio atual da luta de classes, porém a preocupação da maior parte das intervenções foi concebê-las como parte da situação geral do combate do proletariado em escala internacional. Dito isto, o Encontro decidiu expressar uma insistência particular na denuncia dos diferentes governos que se dizem de esquerda, que dirigem a maior parte dos países da América Latina, como inimigos mortais do proletariado e de sua luta; também decidiu denunciar  aqueles que apóiam mesmo que "criticamente" esses governos. De igual maneira, o Encontro denunciou a criminalização das lutas dos trabalhadores por parte desses governos e postulou que a classe trabalhadora não pode ter ilusões com os métodos legalistas e democráticos e que esta só deve confiar em sua própria luta autônoma. Esta denuncia se aplica especialmente aos seguintes governos:

  • Kirchner na Argentina,
  • Morales na Bolívia, Lula no Brasil,
  • Correa no Equador,
  • Ortega na Nicarágua,
  • E muito especialmente o governo de Chaves na Venezuela, cujo pretendido "socialismo do século XXI" não é outra coisa senão que uma enorme mentira destinada a controlar e a reprimir a luta do proletariado naquele país e enganar os trabalhadores dos demais países.

Sobre o ponto 2, todos os participantes concordaram sobre a gravidade da crise atual do capitalismo, a necessidade de compreendê-la mais profundamente desde uma perspectiva teórica e histórica.

Como conclusão, os participantes concordaram sobre os seguintes aspectos:

  • A celebração do encontro constitui uma manifestação da tendência atual de desenvolvimento das lutas e da tomada de consciência revolucionária do proletariado em escala internacional;
  • O agravamento considerável da atual crise do capitalismo não pode, ao final, mais do que reforçar a tendência ao desenvolvimento das lutas dos trabalhadores, fazendo cada vez mais necessária a defesa das posições revolucionárias dentro do proletariado;
  • Neste sentido, todos os participantes acham necessária a continuação do esforço despendido na celebração deste Encontro com o objetivo de se constituir em uma parte ativa na luta do proletariado internacional;

De maneira concreta, como primeiro passo desse esforço, decidimos o seguinte:

  • 1) A abertura de um site na Internet em língua espanhola e portuguesa, sob a responsabilidade coletiva dos grupos participantes do Encontro. Foi considerada também a possibilidade de publicar um folheto em língua espanhola, baseado no conteúdo do sitio na Internet.
  • 2) A publicação nesse site:
  • da presente tomada de posição (que será igualmente publicada no site dos grupos participantes),
  • das contribuições que serviram de preparação para este encontro,
  • de uma síntese das atas das diferentes discussões celebradas e de todas as contribuições dos grupos e elementos presentes assim como de todo outro grupo ou camarada que se reconheça nos princípios e preocupações que animaram o Encontro

Entre estas preocupações, o Encontro assinala muito especialmente a necessidade de um debate aberto e fraternal entre os revolucionários e rechaça todo tipo de sectarismo ou qualquer espírito de seita.

[1] México, República Dominicana, Brasil, Costa Rica, Nicarágua, Equador, Peru e Venezuela.

[2] Os assistentes foram Oposição Operária -OPOP- (Brasil), LECO (Liga por la Emancipación de la Clase Obrera, Costa Rica - Nicarágua) Anarres (Brasil), GLP (Grupo de Lucha Proletaria), Grupo de Discusión Internacionalista de Ecuador, Núcleo de Discussão Internacionalista da República Dominicana, assim como companheiros destes países que participaram a título individual

[3] Temos dado conta desta efervescência na América Latina no nosso artigo Duas Novas secções da CCI. Ver, http://pt.internationalism.org/ICCOnline/2009/Saudacao_as_novas_seccoes_da_CCI_na_Turquia_e_Filipinas

[4] Dentre as decisões do Encontro uma foi a de criar um fórum na Internet onde se publicarão a Tomada de Posição comum e os debates. Ver encuentro.internationalist-forum.org

[5] Ver, por exemplo, o artigo da Revista Internacional n° 16, Segunda conferencia de los grupos de la izquierda comunista http://es.internationalism.org/node/2065