Novas greves

Versão de impressão
Novas greves eclodiram e as coisas se agravam tanto para a burguesia como para aparelhos e organizações burocráticas que tentam desviar a luta para seus interesses (em algumas localidades, eclodem lutas com características "selvagens").

Nesta sexta, a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional,a maior usina do país, localizada no Rio de Janeiro) entrou em greve. A paralisação não afetou toda a produção da fábrica. Mas foi o suficiente para pôr as autoridades em alerta. Há 17 anos que não ocorrem greves nesta usina, a última greve foi combatida com intervenção do exército e execução de 6 operários[1]. Acreditamos que esta greve pode resultar em uma reação em cadeia em outras fábricas no país afora. Na região de Santos, os operários das fábricas de Cubatão ameaçam entrar em greve e só não se mobilizaram por causa do controle e poder dos sindicatos sobre o movimento.

No Paraná, os funcionários públicos entraram em greve e algumas universidades estão sendo ocupadas hoje.

Também fomos informados de mobilizações de estivadores - sem muito controle por parte dos sindicatos - no porto de Santos contra as mortes no trabalho (desde o início do ano foram 3 mortes de operários portuários) e contra a precarização (algumas manifestações foram organizadas por trabalhadores precários, ameaçados de demissão).

[1] No dia 7 de novembro de 1988, os operários da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), entraram em greve. Lutavam pela implantação do turno de 6 horas, reposição de salários usurpados por planos econômicos e reintegração dos demitidos por atuação sindical. A greve envolveu a comunidade de Volta Redonda. No dia 9 de novembro, soldados do Exército de vários quartéis do estado e do Batalhão de Choques da Polícia Militar do Rio de Janeiro dispersaram uma manifestação em frente ao escritório central da companhia e invadiram a usina. Mataram notadamente William Fernandes Leite, 22 anos, com tiro de metralhadora no pescoço, Valmir Freitas Monteiro, 27 anos com tiro de metralhadora nas costas, Carlos Augusto Barroso, 19 anos, com esmagamento de crânio.

Tags: 

Recente e atual: